Quanto Rende 100 Mil na Renda Fixa?

Se você tivesse 100 mil reais, onde investiria? A renda fixa é uma das opções para investir tal montante de recursos.  Então, quanto rende 100 mil na renda fixa?

A taxa de juro vem subindo desde o ano passado e provavelmente, em maio, haverá mais um aumento na Selic.

Com a taxa de juro nas alturas, a renda fixa tornou- se muito atraente. Existem diversas vantagens que chamam atenção na renda fixa. Se você tem curiosidade para saber quanto rende 100 mil reais na renda fixa, acompanhe o nosso artigo.

Qual o rendimento de 100 mil na renda fixa? 

Um título de renda fixa que renda 100% do CDI (taxa do certificado de depósito interbancário) vai proporcionar um rendimento de R$ 11.650,00 ao ano, ou R$ 970,83 mensais, aproximadamente.

A taxa do CDI hoje está perto dos 11,65% ao ano. Considerando que o salário mínimo está em R$ 1.212,00, os R$ 100.000,00 na renda fixa entregam rendimento equivalente a 80% do salário mínimo.

Vale destacar que dentro da renda fixa ainda há opções mais rentáveis, mas que não vão oferecer liquidez diária. Há CDBs (Certificado de Depósito Bancário) e outros produtos de renda fixa mais rentáveis que contam com restrição de liquidez (ou seja, liquidez somente no vencimento). Esses papéis podem entregar rendimentos muito maiores, chegando até a superar a casa dos 13% ao ano, por exemplo.

Um CDB cuja rentabilidade é de 13% ao ano vai entregar um rendimento superior a R$ 1.083,33 mensais É importante salientar que esses rendimentos não são líquidos de imposto de renda.

Onde investir

Dentro da renda fixa há diversas opções de investimentos. O CDB é uma das primeiras opções. Como o CDB é amplamente distribuído, há centenas de opções com as mais variadas rentabilidades. Os rendimentos contemplam desde o CDI, até os juros prefixados e o IPCA.

Onde investir vai depender da estratégia do investidor. Por exemplo: um investidor que procura uma reserva e não pode ficar sem liquidez, deverá comprar títulos de renda fixa que ofereçam alta liquidez e boa segurança.

Em uma situação assim, o melhor é ficar com uma rentabilidade na média do mercado, pagando 100% do CDI.

Dificilmente o investidor terá como comprar um título de renda fixa que ofereça mais rendimento com liquidez diária.

Agora se o investidor tem uma tolerância maior com relação à liquidez, então o investidor pode partir para títulos com vencimento mais longos.

Nesses casos, LCI (Letras de Crédito Imobiliário) e LCA (Letras de crédito do Agronegócio) aparecem como ótimas opções.

Por contarem com a isenção de imposto de renda, mesmo um rendimento inferior aos CDBs pode acabar entregando mais ganhos.

Assim, para investimentos que possuem vencimento de até dois anos, as LCI e LCA surgem como boas opções.

Para investimentos de longo prazo, acima dos dois anos, os CDBs, CRI (Certificado de Recebíveis Imobiliários), CRA (certificado de recebíveis do agronegócio) e debêntures aparecem como boas opções.

CRI, CRA e debentures incentivadas são isentas de imposto de renda, porém, os riscos de investir em tais papéis são maiores quando comparado ao CDB.

O CDB, LCI e LCA contam com a proteção do FGC (Fundo Garantidor de Crédito), assim, os riscos, no CDB, são menores.

Ao conhecer melhor as principais opções da renda fixa, fica a cargo do investidor avaliar qual é a melhor opção.

Investimentos arrojados

Dentro da renda fixa os investimentos mais arrojados são aqueles que contam com menor segurança e prazo de vencimento maior.

Dentro dessa gama de produtos, surgem como opções as CRI, CRA e debentures incentivadas. Existem alguns papéis que contam com prazos de vencimento superiores há 10 anos.

Sendo que os valores de CRI, CRA e debêntures incentivadas costumam ser elevadas, acima dos R$ 1.000,00.

Assim, os investidores que possuem pouco patrimônio terão sérias dificuldades em conseguir diversificar e reduzir os riscos referentes a tais investimentos.

Para não abrir mão dessas opções, uma ótima forma de investir em tais papéis é através de fundos de investimento. No mercado há fundos imobiliários que investem predominantemente em CRI. Já com relação às debêntures, há fundos de debêntures incentivadas.

O que considerar antes de investir?

Existem alguns pontos que devem ser observados pelo investidor antes de comprar um título e renda fixa. Esses pontos são:

  • Segurança;
  • Liquidez;
  • Rentabilidade;

Para uma reserva de emergência, o investidor terá que investir em um ativo que seja seguro e que tenha boa liquidez. Em uma situação assim, a rentabilidade não será das maiores. Tesouro Selic, fundos referenciados DI e CDBs de liquidez diária são boas opções.

Já investimentos de maior rentabilidade vão comprometer parte da segurança e liquidez. Nesses casos, títulos como: CRI, CRA, Debêntures incentivadas e demais papéis de vencimento longo, surgem como opções.

Se o investidor busca uma alternativa de “meio termo”, as LCI e LCA aparecem como alternativas atraentes.

Conclusão

Então, vale investir 100 mil em renda fixa? Sim, vale muito a pena. Ao investir tal montante na renda fixa o investidor consegue remunerar o seu capital além de proteger.

Já o melhor retorno de 100 mil na renda fixa fica nos títulos de longo prazo. CRI, CRA, CDB e debêntures podem oferecer rendimentos elevados quando há opções de prazo maior.

Por exemplo: atualmente a CRI, CRA e debentures que chegam a pagar IPCA+7% ao ano. Já há CDBs com rentabilidade prefixada superior aos 13% ao ano.

Se o investidor considerar que nos próximos 12 meses a inflação pode ficar por volta dos 7%, uma CRI, CRA ou debênture pode entregar rentabilidade na casa dos 14% ao ano.

Com uma rentabilidade de 14% ao ano, o valor de R$ 100.000,00 renderia algo próximo a R$ 14.000,00 no ano.

Como CRI e CRA são isentas de imposto de renda e existem as debêntures incentivadas (que nesse caso também são isentas) a rentabilidade de R$ 14.000,00 no ano já seria líquida de IR.  

Agora você sabe quanto rende 100 mil na renda fixa? Ainda tem dúvidas? Então deixe uma pergunta ao final que já vamos lhe responder. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.