Quais Investimentos Pagam Dividendos?

Os dividendos são uma das principais vantagens das ações. Além das ações, existem outros investimentos que pagam dividendos.

Então, quais investimentos pagam dividendos?

Quais empresas pagam bons dividendos atualmente?

Se você tem dúvidas sobre dividendos e não sabe como reconhecer boas empresas que pagam, leia o nosso artigo e fique por dentro das principais características dos dividendos.

Quais empresas pagam bons dividendos?

Empresas que possuem bons resultados têm maiores chances de pagar dividendos aos seus acionistas.

Além das ações, os fundos imobiliários também fazem pagamento de dividendos aos seus cotistas.

No caso dos FII, para identificar aquele que paga bons dividendos, o investidor precisa ficar atento aos últimos pagamentos e avaliar questões como vacância e o setor de atuação do FII em específico.

Por exemplo, fundos que investem em CRI (Certificado de Recebíveis Imobiliários) costumam pagar bons dividendos, uma vez que os pagamentos feitos pelas CRI são indexados a índices como a inflação ou CDI, além de um percentual em juros prefixados. Essa remuneração é bem interessante e pode gerar bons pagamentos.

O único problema fica por conta daqueles que gostariam de ganhar dinheiro com a valorização do papel. Normalmente FII que investe em CRI, não consegue se valorizar, uma vez que os rendimentos são praticamente todos distribuídos e o papel, ou CRI não se valoriza muito.

Dividendos de empresas

Para identificar boas empresas, o investidor precisa olhar o histórico de pagamentos além do balanço e DRE (Demonstrativo do Resultado do Exercício).

Ao conferir o histórico de últimas distribuições, o investidor consegue ver se a empresa tem costume de pagar os dividendos.

Além do histórico, os dividendos pagos anteriormente mostram que a firma consegue gerar bons resultados frequentemente.

Uma firma que dá prejuízos constantemente, dificilmente paga dividendos. Por isso, companhias que são boas pagadoras de dividendos, conseguem com frequência registrar bons lucros.

Dentro do balanço e do DRE, existem alguns valores que precisam ser bem avaliados, dentre eles há o lucro líquido, o resultado antes do imposto de renda e contribuição social, além das margens de resultado.

Já no balanço é bom ficar de olho em dívidas e se o PL (Patrimônio Líquido) da empresa está crescendo. Um PL em alto demonstra que a firma vem acumulando bons resultados. Isso é um ótimo sinal de dividendos no futuro. Uma empresa com caixa alta, e com disponibilidades em ascensão também é outro ótimo sinal.

Quais ações pagam mais dividendos?

Para conseguir encontrar aquelas ações que pagam mais dividendos, o investidor precisa procurar por setores que costumam pagar mais dividendos.

Os setores que normalmente pagam muitos dividendos são:

  •  Energia elétrica
  • Comunicação, telefonia
  • Concessionárias de estrada
  • Instituições financeiras e bancos

Esses quatro setores costumam ter empresas que pagam dividendos de forma recorrente. Ainda há outras empresas que costumam pagar dividendos, mas os seus setores de atuação não pagam tanto.

Ao encontrar as empresas dos setores citados, o investidor precisa focar a análise nos números de cada firma.

A primeira coisa a analisar são as distribuições anteriores. Empresas que pagam bons volumes de dividendos normalmente têm pagamentos recorrentes.

É importante contar com um histórico de ao menos cinco anos de distribuições. Depois, é preciso analisar as margens de lucro da empresa.

Uma empresa que possui boas margens de lucros, acima de 20%, por exemplo, conta com alguma vantagem competitiva, ou o seu produto possui excelente custo e ótima margem de venda.

Na hora de analisar o DRE, o investidor vai encontrar a margem líquida e bruta. Aquela que vai mais interessar é a margem líquida.

Margem líquida

A margem líquida mostra a margem que sobra do resultado da empresa no final de todas as despesas e custos.

Exemplo: vamos supor que a margem líquida de uma empresa é de 20%. Isso significa que para cada R$ 1,00 de receita bruta gerada pela empresa, ao menos R$ 0,20 sobra e pode virar distribuição de lucros, reserva ou pode ser reinvestido na companhia.

Endividamento

Outro ponto importante é o endividamento da companhia. Empresas com muita dívida vão ter dificuldades em distribuir. Já companhias que não têm dívidas, costumam ter maior facilidade para distribuir seus ganhos.

As dívidas de uma empresa vão exigir mais força de caixa para os pagamentos. Além da dívida em si, existem os encargos.

Por isso, o caixa é comprometido e o resultado. Juros e encargos são despesas e isso reduz parte do lucro da firma.

Mesmo em companhias que possuem ótimos resultados, quando existe muita dívida, os custos e despesas com a dívida acabam reduzindo e comprometendo o bom resultado.

Por isso é preciso ficar de olho no endividamento, inclusive olhando o DRE de anos anteriores para determinar se existe um aumento ou uma redução.

Crescimento das receitas

Por último, mas não menos importante, o investidor precisa ficar de olho no crescimento das receitas ao longo dos anos.

Empresas que não conseguem ampliar suas receitas terão dificuldades em continuar distribuindo bons níveis de dividendos aos seus acionistas.

Aquelas companhias que conseguem empregar um ritmo de crescimento, normalmente tem alguma vantagem competitiva, ou possuem um produto de qualidade e reconhecido no mercado.

Estabilidade e crescimento são algo essencial para uma boa empresa pagadora de dividendos, continuar distribuindo seus lucros.

Quais empresas pagam dividendos mensais? 

Dentro do mercado de ações é difícil encontrar firmas com o costume de pagar dividendos mensais. Mas, ainda sim existem algumas.

O setor financeiro é aquele que possui as empresas que costumam pagar todos os meses dividendos.

Dentre as firmas que costumam pagar mensalmente estão Itaú (ITUB4) e Bradesco (BBDC4). Os dois bancos já vem a anos pagando religiosamente todos os meses dividendos aos seus acionistas.

Mas além das ações, outros investimentos que pagam dividendos mensais são os FII. Quando comparado às ações, os fundos imobiliários acabam distribuindo mais e com maior frequência, além de ser mensal (na maioria das vezes).

Atualmente, com a alta da taxa de juro e da inflação, há fundos que investem predominantemente em CRI gerando rendimentos muito interessantes.

FII como BCRI11, KNIP11 e DEVA11 vem entregando mais de 1% ao mês de rentabilidade. Lembrando que as distribuições dos FII não contam com retenção de IR, ou seja, esses 1% ao mês são líquidos.

O ponto negativo dos FII em comparação às ações está relacionado ao poder de valorização das ações.

Um negócio tem muito mais potencial de se valorizar e agregar valor do que um imóvel.  Mas no curto e médio prazo, os FII costumam gerar mais caixa, algo que é interessante, ainda mais para aqueles que buscam construir uma renda extra, ou vivem de renda por meio dos investimentos.

O que é viver de dividendos?

Viver de dividendos talvez seja o que muitas pessoas buscam, mas infelizmente, poucas conseguem.

A ideia de viver de dividendos é similar a viver da renda de aluguel de imóveis, por exemplo. Mas diferente de viver da renda de aluguel, aqueles que buscam nos dividendos uma oportunidade de independência financeira, terão a chance de começar cedo a construção de um patrimônio.

Desse modo, o investidor poderá acompanhar o crescimento da carteira até um ponto que a mesma vai gerar renda suficiente para o investidor viver de renda.

Dentre os investimentos que podem fazer parte da carteira existem as ações e os fundos imobiliários.

Ambos os investimentos têm condições de gerar renda e ajudar o investidor a alcançar o tão sonhado objetivo.

Conclusão

No mercado financeiro existem dois investimentos que oferecem dividendos, são as ações e os fundos imobiliários.

As ações têm a vantagem de contar com um potencial de valorização muito maior do que os FII, além de conseguir distribuir mais dividendos, conforme o negócio aumenta e seus resultados também.

Portanto, ao investir em uma ação, o investidor terá a chance de receber muito mais no futuro, ao invés de ficar preso a uma distribuição semelhante, ano após ano.

Já nos FII os pagamentos são muito bons e costumam ser frequentes, mensais. Além disso, existe uma estabilidade nas distribuições, fato que nem sempre ocorre com as ações.

Porém, é mais difícil ver um FII dobras suas distribuições em um espaço curto de tempo, fato que pode acontecer com as ações.

Observando isso, o investidor precisa fazer uma boa avaliação dos ativos disponíveis no mercado e avaliar qual é aquele que faz mais sentido.

Ao procurar por boas ações que pagam bons dividendos, o investidor precisa ficar de olho em alguns setores, dentre eles: energia elétrica, telefonia, concessionárias e os bancos.

Já com relação aos fundos imobiliários, os FII que pagam mais e de forma constante com pouca volatilidade são aqueles que investem em CRI.

Olhando esses setores será mais fácil encontrar opções de investimento que vão entregar bons dividendos.

Assim, o investidor terá a oportunidade de viver de renda e, quem sabe, conquistar a independência financeira.Você compreendeu quais investimentos pagam dividendos? Ainda possui dúvidas? Então deixe uma pergunta ao final do artigo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.