O Que é o Horizonte de Investimento?

Você sabe o que significa horizonte de investimento? Não? É exatamente o que trataremos neste texto. Todo investidor, seja iniciante ou experiente, tem uma expectativa em relação ao tempo de seu investimento.

Alguns investem pensando no curto prazo, pois não vão precisar do capital em curto espaço de tempo. Outros pensam no médio prazo e alguns investem para aposentadoria (longo prazo), ou seja, de olho no futuro.

o que significa horizonte de investimentos em finanças

Pensar no horizonte de investimento é equilibrar várias expectativas, tanto em relação ao tempo, risco e rentabilidade. Quer saber mais sobre isso? Venha comigo nesta leitura!

Mas afinal, o que significa o termo horizonte de investimento? 

Vamos simplificar… O horizonte de investimento, também conhecido como horizonte de tempo de investimento, refere-se ao tempo que o investidor espera que seu dinheiro permaneça investido antes de fazer o resgate. 

Por exemplo, quando um jovem investe em uma previdência privada, seu horizonte de investimento está a várias décadas de distância. Provavelmente, ele resgatará o montante investido após 30 anos. 

Da mesma forma, uma pessoa pode investir em renda fixa esperando o dia certo para comprar seu imóvel, talvez com a expectativa de fazer o resgate do dinheiro em 8 anos. Para isso, o investidor precisa alocar seu capital em ativos com boa liquidez e com duração inferior ao prazo esperado para o resgate. 

Calma que tem mais exemplos! O departamento de tesouraria de uma grande empresa geralmente mede seu horizonte em dias.

Outros investidores possuem maior vocação para o longo prazo, com investimentos de todos os tipos, desde renda fixa, ações e fundos de investimentos, pensando em prazos acima de 10 anos de aplicações.

Portanto, na maioria dos casos, quanto menor for o horizonte de investimento das pessoas, menos risco elas devem estar dispostas a aceitar. Obviamente, o retorno investido também tende a ser menor. 

Imagine você colocar seu dinheiro em ações, esperando resgatar o dinheiro no prazo de um ano. A possibilidade de dar errado é muito grande. 

Por isso, ao decidir que tipo de investimento você deve ter em seu portfólio, é importante determinar qual é o seu horizonte de investimento. Caso contrário, é possível até perder dinheiro ao fazer o resgate antecipado.

Na verdade, se você não precisa do capital investido por um longo tempo, por exemplo décadas, você pode possuir uma combinação de investimentos mais arriscados do que uma pessoa que precisa de dinheiro nas próximas semanas ou meses.

De modo geral, podem falar em diferentes tipos de horizontes de tempo, ou seja, de curto, médio e longo prazo. Lembre-se de que essas são definições arbitrárias, ou seja, não existe um padrão.

O que é risco diversificável? 

O risco diversificável é a melhor forma de você reduzir ou mitigar os riscos do seu portfólio dentro de determinado horizonte de investimento. Na verdade, a diversificação também é uma forma de conjugar diferentes modalidades de investimentos, sendo bastante eficiente em expectativas de longo prazo. 

Imagine se você vai investir nos próximos 30 anos. Se todo o seu capital ficar alocado em ações do mesmo segmento, você acha que isso seria positivo no longo prazo? Provavelmente não. 

Até porque, em momentos de crise, você veria seu patrimônio no negativo. Imagine se por algum motivo você precisar resgatar uma parte dos seus recursos? Certamente a probabilidade de perder dinheiro é grande.

Por isso, em um portfólio com diferentes modalidades de investimentos, há uma compensação entre os ativos, de forma que o risco será mitigado, isto é, reduzido. Em outras palavras, quanto maior a diversificação, mais protegido seu capital estará. 

Podemos dizer que quanto maior o horizonte de investimento, maior ainda deverá ser o risco diversificável. Afinal, para a sobrevivência de uma carteira ao longo do tempo, nada melhor do que distribuir o risco e obter retornos mais consistentes. 

Qual é o seu perfil de risco para investimentos financeiros? 

Independente de qual é o seu horizonte de investimento, você precisa ter bem definido seu perfil de risco para investimentos. Sempre quando abrimos conta em uma corretora, temos que responder um questionário sobre qual o nosso perfil de risco.

Na verdade, ao definir seu perfil você poderá fazer escolhas mais adequadas ao tipo de risco que você está disposto a pagar em relação à rentabilidade esperada. Não adianta querer rentabilizar alto sem analisar, antes, qual o risco envolvido naquele investimento.

Além disso, quando pensamos no perfil de risco precisamos refletir, novamente, sobre o horizonte de investimento. Em determinadas situações, você pode obter rentabilidades maiores, porém, o tempo de resgate do produto investido precisa ser maior. Por isso a análise do perfil de risco é muito importante. 

Vamos nos aprofundar nesta questão.

Perfil Conservador 

Se o investidor tem um perfil de risco conservador, logo, sua cesta de ativos deverá ter maior peso em investimentos em renda fixa. Nessa modalidade, os riscos são menores e a rentabilidade contratada é conhecida de antemão. 

Ou seja, quando você investe em renda fixa, você tem uma previsibilidade quase exata da sua rentabilidade no dia do resgate.

Mesmo assim, o investidor deverá ter em mente a relação do seu horizonte de investimento com o tempo de resgate de cada produto. Existem investimentos com retornos excelentes, porém, que exigem maior tempo até o resgate. 

Moderado 

O investidor com perfil moderado tem maior apetite ao risco, porém, não abre mão de controlá-lo, ainda que sua rentabilidade seja menor. Este perfil tende a adicionar ativos mais arriscados para obter maior retorno, mas sem abrir mão de maior segurança.

Em portfólios com perfil de risco moderado, os investidores podem associar produtos de renda fixa e renda variável, desde que o peso sobre a renda fixa seja maior.

Arrojado 

Já o perfil arrojado (ou agressivo) possui maior vocação para o risco, sempre em busca de rentabilidades maiores. Muitos investidores com este perfil alocam grande parte de seus recursos em renda variável.

Dependendo do horizonte de investimento, o investidor com perfil arrojado também precisará diversificar seu portfólio para equalizar os riscos, ainda que a expectativa de rentabilidade seja maior.

Existe o investidor com horizonte de investimento de curto prazo e ao mesmo tempo com muito apetite ao risco, que é o caso dos day traders, que operam no mercado financeiro em operações que duram entre segundos e minutos. 

Sem sombra de dúvidas, essa é a opção mais arriscada no meio financeiro. 

O que é análise fundamentalista? 

Talvez você tenha dúvida de como proceder diante das suas possibilidades de investir. Mesmo sabendo o horizonte de investimento e qual seu apetite para o risco, muitos investidores não sabem como escolher os melhores ativos e compor uma carteira compatível com seu perfil de investidor. 

Desta forma, a análise fundamentalista é uma ferramenta interpretativa que auxilia o investidor na sua tomada de decisão. Por meio dela, é possível avaliar o perfil das empresas e decidir de forma mais eficiente o melhor investimento.

Seu objetivo é justamente avaliar alternativas de investimento por meio das informações divulgadas pelas empresas. Além disso, a análise fundamentalista também interpreta outros fatores, tais como: 

  • Conjuntura macroeconômica (inflação, taxas de juros, situação do país)
  • Panorama setorial das empresas analisadas
  • Análise dos balanços e situação financeira das empresas
  • Previsões para o desempenho das companhias.

Veja que interessante. Após avaliar os dados das empresas, o analista vê o valor justo para uma empresa, ajudando o investidor a encontrar a melhor relação entre o preço da ação e a saúde financeira da empresa. 

Na verdade, a análise fundamentalista também permite a compreensão dos melhores títulos de renda fixa. Ou seja, ela é capaz de ajudar o investidor dos mais diferentes perfis. 

Desta forma, para quem tem um horizonte de investimento de longo prazo e com perfil de risco moderado ou arrojado, a análise fundamentalista é fundamental para a escolha de ativos para sua carteira de investimentos. 

Como determinar o horizonte de investimento? 

Basicamente, o que determina o horizonte de investimento é o onde você quer chegar com suas aplicações financeiras. Quais são seus objetivos? Qual o risco você está disposto a tomar?

Desta forma, existem basicamente três durações de tempo que determinam seu horizonte de investimento, neste caso, de curto, médio e longo prazo. 

Confira abaixo a expectativa do tempo de investimento e sua relação com o risco:

  • Curto prazo: até três anos. O investidor tende a ter baixa tolerância ao risco e deve investir em títulos garantidos, como CDBs, LCIs, títulos do tesouro e outros produtos de renda fixa.
  • Médio prazo: de 3 a 10 anos. Os investidores tendem a optar por uma mistura conservadora de títulos de renda fixa (70%) juntamente com renda variável – ações, Fundos de Investimento Imobiliário (FII) e fundos de investimentos (30%).
  • Longo prazo: mais de 10 anos. Com esse tipo de horizonte de investimento, os investidores normalmente incluem uma porcentagem maior de investimentos de risco. 

Importante: as ações podem passar por períodos prolongados de muito pouco crescimento. 

Os especialistas dizem que é aconselhável, para quem tem um horizonte de longo prazo,  ir para uma combinação de renda variável (60%) e renda fixa (40%). Mas essa ponderação depende do perfil de risco de cada um. 

Conclusão 

O horizonte de investimento é a expectativa de tempo do investimento e sua relação com os objetivos do investidor. O mais importante é associar os objetivos, apetite ao risco e estimativa de rentabilidade. 

Quando o investidor tem com clareza seus objetivos e quanto tempo ele está disposto a fazer alocações e diversificar seu portfólio, maiores chances ele tem de rentabilizar com risco controlado.

E você, sabe qual seu horizonte de investimento? Escreva aqui pra gente!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *