7 Dicas de Como Organizar as Finanças no Caderno

O dinheiro é algo muito presente em nossas vidas e por isso a organização financeira se vê tão necessária em nossas vidas. Você sabe como organizar as finanças no caderno? Não? Então acompanhe o nosso artigo e conheça mais sobre como organizar melhor suas finanças.

Dicas de Como Organizar as Finanças no Caderno

Colocando a organização financeira em prática, a pessoa terá menos problemas financeiros, vai conseguir identificar algo que está errado em seu orçamento e poderá fazer melhorias.

Dependendo da situação, é possível fazer sobrar um pouco de dinheiro para começar a investir e construir uma reserva de emergência, por exemplo.  Enfim, a organização financeira pode ajudar em muitas coisas.

Agora vamos às sete dicas, começando…

1º Anote todas as suas despesas e receitas

Com o caderno em mãos, chegou a hora de começar a organizar as finanças. Primeiro é necessário listar todas as suas despesas e receitas.

Por que isso? Porque assim, dá para identificar algumas coisas, como:

  • Se você possui mais despesas do que receitas.
  • Há mais receitas do que despesas? Então porque não sobra dinheiro no final do mês?
  • Despesas que possam estar elevadas, ou fora dos parâmetros financeiros.

Ao fazer esse levantamento, a pessoa já vai conseguir identificar algumas coisas e construir o seu padrão de vida.

Vale destacar que a pessoa nesse primeiro passo, precisa anotar todas as despesas. Sem exceção. Mesmo aquele cafezinho, ou salgado que foi adquirido em uma cantina, ou bar, devem ser listados no caderno.

Isso é importante porque assim, fica mais fácil analisar todas as despesas e determinar se existe algo que possa ser cortado e melhorar os hábitos de gastos.

Com relação às receitas, a lista eventualmente é menor, uma vez que há muitas pessoas que dependem exclusivamente do trabalho, por isso a listagem das receitas é normalmente menor.

Com certeza, a forma mais fácil de como organizar as finanças e sair do vermelho, é anotar todas as despesas e receitas.

2º Enquadrar as despesas dentro da receita.

Sabendo com detalhes os valores referentes às receitas e despesas, chegou a hora de comparar.

Havendo mais despesas do que receitas é preciso encaixar essas despesas dentro do orçamento.

Isso vai exigir que a pessoa faça uma lista de prioridades. Por exemplo; a conta de luz é uma prioridade, água e telefone também.

Alimentação é algo prioritário entre outros valores similares. Agora valores referentes à compra de roupas e demais artigos, como as despesas com confraternizações podem ser cortados ou reduzidos.

3º Identificar despesas elevadas.

Ao construir o seu orçamento, chegou a hora de avaliar os valores de algumas de suas despesas, como aquelas consideradas essenciais.

A conta de luz, água e telefone são consideradas essenciais e podem ser alvo de análise.

Principalmente quando os valores são elevados. Para descobrir se existem gastos a mais, é sempre bom perguntar a outras pessoas que tenham um padrão similar, e assim, comparar se há diferenças nos valores das contas.

Vamos supor que uma pessoa que vive de forma similar a você gaste R$ 150,00 de luz todos os meses, se você gasta R$ 200,00, é porque existe algo que pode ser cortado.

De repente você possui um freezer, ou outro equipamento que consome muita energia e que outras pessoas dificilmente têm.

Sabendo disso, é hora de avaliar se é uma boa continuar utilizando o equipamento, ou se não é preferível parar de usar, ou reduzir a utilização.

Outra coisa que a pessoa pode fazer a título de comparação dos valores é ver o histórico de faturas. Às vezes no histórico é possível ver um aumento nos gastos e assim, a pessoa pode observar se há algo diferente consumindo mais energia.

Além de trabalhar com o caderno, anotando e comparando, também a como organizar as finanças planilha. Com uma planilha todo o processo pode se tornar ainda mais fácil e prático.

4º Avaliar o padrão de vida

Um dos grandes problemas em controlar as finanças está associado ao padrão de vida. Uma pessoa que recebe R$ 2.000,00 ao mês terá um padrão de vida diferente daquele que recebe R$ 6.000,00, por exemplo.

Mas, além disso, dentro do padrão, a pessoa ainda precisa enxergar a possibilidade de poupar parte do dinheiro para investir e construir uma reserva de emergência, por exemplo.

Observando isso, é necessário que a pessoa faça uma avaliação rigorosa de seus fatos e tente encaixar um padrão de vida mais compatível.

Uma pessoa que gasta tudo que recebe, dificilmente terá oportunidade de poupar. E caso ocorra alguma emergência, será necessário buscar dinheiro com bancos.

A partir desse momento, a probabilidade de contrair dívidas e prejudicar ainda mais o orçamento, são relevantes.

Portanto, reduzir um pouco os padrões de consumo pode surtir efeito instantâneo e com boas chances de render lucros à frente.

Por exemplo, trocar o consumo de refrigerante por água, pode render bons ganhos no curto prazo. Uma garrafa de refrigerante, de dois litros, normalmente não sai por menos de R$ 5,00. Já a água mineral comum, tem um valor por volta dos R$ 2,00. Considerando que a pessoa vá consumir 3 garrafas de refrigerante por semana, ou 6 de água, a redução no orçamento, dentro de 52 semanas chega a R$ 156,00. Isso que só alteramos um padrão de consumo. Dentro do orçamento há vários itens que podem ser alvo.

5º Planejamento orçamentário

Outra boa dica para organizar as finanças no caderno é planejar o orçamento. Anotar as despesas e as receitas é algo fundamental, mas é preciso ir além.

O planejamento consiste em avaliar quais são as despesas recorrentes e quais são as receitas recorrentes.

A partir daí, a pessoa pode alinhar as expectativas e construir um orçamento visando a boa condução financeira.

Por exemplo, no ano seguinte a pessoa espera receber os salários em um determinado valor e ter determinada quantidade de despesas.

Baseado nesses dados é possível verificar a possibilidade de poupar dinheiro ou de fazer novas aquisições.

Essa previsibilidade pode ajudar muito a pessoa que pretende iniciar novos investimentos ou tem o desejo de comprar algo de maior valor.

6º Disciplina

A disciplina é essencial em qualquer estratégia de organização financeira. Para controlar todas as despesas e como anda a vida financeira a pessoa precisa ter disciplina para anotar, tudo.

Depois, para colocar outras estratégias em prática, como o planejamento orçamentário, análise das despesas e o padrão de vida, a pessoa terá que manter a disciplina de conduzir todos esses trabalhos e assim, melhorar o desempenho financeiro.

7º Objetivo e meta

Para alcançar uma boa organização financeira, é importante ter objetivos e metas. Quando a pessoa começa a organizar as finanças, o objetivo normalmente é; “como organizar as finanças pessoais”.

Depois, a pessoa vai querer construir uma reserva, para evitar ser pego desprevenido. Emergências sempre acontecem e isso pode acabar levando a pessoa a gastar mais do que recebe e consequentemente levará a dívidas.

Portanto, a reserva de emergência vem com o intuito de evitar esse tipo de situação. Ao conquistar a reserva de emergência, a pessoa vai querer construir um patrimônio para o futuro, visando até uma independência financeira “precoce”, por exemplo.

Para tudo isso funcionar, objetivos e metas devem ser estabelecidos. Ao estabelecer um objetivo, como; “conquistar a independência financeira”, a pessoa pode definir metas periódicas.

Por exemplo, anualmente a pessoa quer poupar R$ 10.000,00 e conseguir mais R$ 2.000,00 com rendimentos dos investimentos.

No longo prazo, o objetivo é alcançar R$ 500.000,00 e ter uma renda passiva. Sabendo do objetivo, os R$ 10.000,00 mais os R$ 2.000,00 de rendimentos anuais se tornam a meta. Ao alcançar as metas, o objetivo vai ficando cada vez mais próximo.

Conclusão

Conseguir controlar as finanças é muito importante. O dinheiro pode ser um verdadeiro problema para muitas pessoas, mas também pode ser a solução.

Ao conseguir controlar as finanças a pessoa terá a possibilidade de poupar e investir. Com determinada quantidade de dinheiro, é possível ampliar a renda e quem sabe, viver de renda passiva.

Tudo isso pode se tornar factível, caso a pessoa se dedique junto a organização financeira, anotando todas as despesas e receitas, controlando os gastos, traçando um planejamento orçamentário, além de um objetivo e metas.

Ao colocar todas as dicas em prática, definindo um padrão de vida, o controle financeiro vai se tornar mais fácil e com o tempo, a pessoa vai incorporar o costume de avaliar preços e ajustar o orçamento.

Depois, ao conseguir poupar dinheiro recorrentemente e assim, construir uma boa reserva financeira, chega a hora de investir com o intuito de construir um bom patrimônio e, quem sabe, conquistar a independência financeira.Você conseguiu compreender como organizar as finanças no caderno? Tem dúvidas? Então deixe uma pergunta ao final e já vamos lhe responder.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.